sábado, 26 de fevereiro de 2011

Empowered Storytelling

Co-Criar a realidade

Create a Supportive Life Story
When you remember that you are the author of your own life story, you are free to create a masterpiece.

We all have our own life story. It is filled with relationships and events that help shape who we are and what we believe to be true about the world. Depending on our perspective and willingness to grow, our experiences can become fodder for negativity and patterns of playing the victim, or they can fuel a life of empowerment and continued self-development. It is the story we tell ourselves about what happens that makes all the difference.

Take a moment to look at the life story you create for yourself on an ongoing basis. If you generally feel peaceful about the past and trust in your ability to handle whatever comes your way, then you are framing circumstances in a manner that serves you well. On the other hand, if you retain a lot of guilt or resentment and often feel weighed down by life, you may want to start telling yourself a new version of past and present events. No matter who the characters are in your story or what they have done, you are the only one who can give their actions the meaning they will have for you. You are the only one who can define what role you will play in your own life. By taking responsibility for your story, you are able to learn and grow, forgive and find compassion, and most importantly, move on into a brighter future.
From now on, you can choose a life story that supports you. Let it be proof of your own resilience and creativity. Be kind with the roles you give yourself and generous with how many chances you get to learn what you need to know. When you remember that you are the author of your own story, you are free to create a masterpiece.'' (DailyOm)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Human Planet

uma peça do grande Puzzle!

É tão bom quando ouvimos mais vozes de entusiamo e alegria, e  o rippling continua, continua, continua...

(Obrigada Chris)

Evaluating Media

''There is a lot of information available to us at this time in history, more than ever before, and it travels fast. We are able to learn in the blink of an eye about something that happened halfway around the world, and it’s natural for us to want to know what’s going on. However, it’s also fair to say that we don’t want to become so caught up in one way of looking at events that we lose perspective. Often, the news comes to us in a very fear-oriented format, and when too many of us get caught up in fear, the balance of the whole is disrupted. It helps to remember that we have a much greater and more positive impact on the world when we maintain our inner sense of peace and joy.

We are aware enough to know when we are eating something that is not good for us, because we don’t feel well after we’ve eaten it. In the same way, we can determine for ourselves whether the sources in which our information comes are ultimately healthful. News can be presented in a way that inspires us to take positive action to help the world, or it can be presented in a way that leaves us feeling powerless and sad. It is up to us to seek out and support media that empowers and informs us, and to say no to media that drains our energy and our hope.
For a time, it may even be of benefit to commit to a media fast, in which we stop taking information in for a time to give ourselves a rest. When we return to the task of taking in and processing the information all around us, we will come to it with a fresh mind. This will enable us to really notice how we are affected by what we hear and see, and to make conscious choices about the sources of information that we allow into our lives.'' (DailyOM)

(como exemplo do poder manipulador dos media fica aqui a 'partidinha' genial do Sr. Orson Wells . ;) a versão 'traduzida' para brasileiro deixa um bocadinho a desejar, mas há mais no youtube :)

Universal Awakening

''A snowball at the top of a mountain has the potential to become huge, just by rolling down the mountain and gathering more snow. In a short time, this tiny snowball can become a force to be reckoned with. We humans are like this when it comes to exchanging energy and vision, and no matter how few people are involved at the beginning, there is the potential for massive change. As consciousness seekers, we are in the midst of this process, and it is amazing to see people we thought might never come around, waking up to their truth. Each time we see this, we can count ourselves blessed to be living at a time when the awareness of humanity seems to be at a tipping point, as more and more individuals open their minds and change their ways.

For some people, this revolves around an awareness of the environment, for others it is a spiritual awakening, and for many it is both. A great change in consciousness is sweeping through us all, as we recognize that things are not what they have seemed to be, that there is more to our lives than meets the eye. Many of us have the awareness and the energy at this time to break through old, outmoded ways of seeing things and to move into a new way of being in the world, and it is essential that we do so. The beauty of living at this time is that even small actions have a powerful ripple effect, and the reverberations of what we do have the power to reach and open many minds.

It is as if a scale is about to tip in favor of higher consciousness, and each one of us has the power to bring humanity closer to that point with the smallest of actions. Each time we move in the direction of our dreams and visions, we can visualize another small pebble dropping into the pond, or another gold weight on the scale, rippling and tipping our way to universal awakening. ''  (dailyOm)

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Karma is a blessing


"The Biblical line "There is only one begotten Son" has been interpreted by traditional Christians to mean that Jesus was the only one, but to the metaphysical among us that line means something radically different. To us, "There is only one begotten Son" means that there is only one of us is here. We were created as one, and so we are one.

Just as Swiss psychologist Carl Jung posited the notion of the collective unconscious -- mental imagery he called archetypes that we all share -- the spiritual notion of the Christ Mind takes things one step further: if you go deep enough into your mind and deep enough into mine, there is something deeper than just shared imagery. If you go deep enough into all our minds, we share the same Mind.

For that reason alone, the Golden Rule is a good idea. For what you do unto others, you do unto yourself. It may seem to take time for things to show up that way; and the person you do whatever you do to may not be the person to slap you or hug you back, but someone will. The realization that there is only one of us here is one of the most illumined realizations and profound guides to thought and behavior. For if whatever I give I give to myself, then I'm a whole lot more careful about what I give. They say karma's bitch, but in fact it's a blessing. The point is to use it well. "

Marianne Wiliamson

domingo, 20 de fevereiro de 2011

escola verde

1 seja local
2 deixe o ambiente liderar
3 pense como os seus netos poderão construir

(Obrigada Rui. Obrigada John Hardy )

Desculpe, sim? : pausa para umas necessidades..

Esta semana, andou este tema a rondar-me o corpo, a mente e o espírito.

E nós sabemos, que quanto mais se enxota uma mosca, mais ela insistente nos ‘atazana’ e incomoda, e se a deixarmos zumbir um pouco em volta, ela acaba por ir dar uma volta e ir sobrevoar outro. Bem, também sabemos que por vezes isso não resulta..

Desde que me conheço como gente, que sou uma pessoa simples. Vestir, calçar, falar, viver, ser. Por vezes até demais. A proximidade e gosto pela terra, pela natureza, pelo ar livre, pela simplicidade das coisas e seres vivos, fazia-me ser simplesmente simples e prática.

Passei uma fase da minha vida em que precisei de me ‘afirmar’, ou de tomar as rédeas da minha vida e dar-lhe novo sentido, e sem querer entrei numa espécie de (nova) crise de identidade. Não quero dizer que deixasse de me conhecer, pelo contrário, mas comecei a alargar e ‘complicar’ esse conhecimento que tinha de mim mesma. Isto é, a precisar de encontrar novas formas de me ver e de ser vista. E a procurar uma dimensão diferente e mais feminina de mim mesma.

E tudo aquilo que eu repudiava ou afastava da minha vida, por achar desnecessário, supérfluo, atrofiante, manipulador, ridículo, etc, dei comigo a procurar, ou a seguir, ainda que de forma muito moderada e simples (de novo!), a minha forma, claro.

E para meu espanto, que fugia a sete - mil - pés dos centros comerciais, dei comigo a entrar em lojas onde nunca na vida tinha sequer entrado, e a comprar coisas - sim, coisas! – algumas banidas do meu quotidiano há muito tempo. Falo por exemplo de calçado de tacão alto. Tenho um 1,74cm de altura, sou uma ‘piquena’ mui grande, ;) e a minha necessidade de passar despercebida (não conseguida, diga-se) e a minha simplicidade constante, faziam com que eu comprasse sempre calçado prático, leve, confortável acima de tudo. E claro, raso!.

E de repente dou comigo a ceder e a caminhar  uns centímetros acima do solo. (não, não é todos os dias, que eu não aguento!!)

Valha-me Deus! Onde me estou eu a meter ? (e Tu a ver..)

Bom, isto para dizer, que atrás de uns tacões altos (e isto porque passar despercebida, deixou de me fazer mossa) , veio alguma maquilhagem extra e práticas - ditas e pretendidas – femininas, (ainda que esporádicas) como por exemplo, eyeliner, ou unhas dos pés pintadas (!)*. Estava espantada comigo mesma. Mas quem és tu afinal ??!!

Não pensem os leitores que eu era uma ‘minhota de farto buço’ ou uma moçoila ‘dardeia’ (leia-se ‘da aldeia’) sem polimento ou cuidado, mas isto das unhas ou tacões, ou (…) era digamos mais do que ‘necessidades básicas’, ou mais do que era e sempre fora necessário e preciso para mim.

Felizmente que escapei ao ‘síndroma do divorciado’ – se é que é assim que se chama - segundo me disseram, no qual se ‘salta ou procura’ parceiro sexual como forma de substituição e afirmação perante o parceiro perdido. Portanto, não foi por uma questão de ‘caça’ que me propus a estas mudanças e alterações. Mas sim, muitas vezes nesse período de transição, de ‘luto’ e ‘jejum’, uma bonita e sexy lingerie - que só eu via – e todo o meu ’embrulho’, mais elaborado, era tudo o que tinha e queria para me fazer sentir, bem, bonita, desejável e Viva.

Esta lenga-lenga toda para dizer afinal, que as necessidades básicas, são frequentemente escondidas, afastadas, secundarizadas e negligenciadas por nós, sobretudo (algumas) se estamos ou nos consideramos em ‘caminhos espirituais’.

E se é comum aceite que casa, comida, cuidados de saúde, conforto, protecção, afecto, trabalho, (…) (relacionados com o 1º e 2º chakras, de raiz e sexual) são comummente considerados como básicos e indispensáveis na nossa vida, facilmente nos esquecemos e relevamos para segundos e terceiros planos outras necessidades básicas e indispensáveis na nossa vida também.

Coisas tão simples e banais, tão ‘ordinárias’ no sentido de comuns, como espirrar, tossir, bocejar, espreguiçar, coçar, dar um traque ou peido (ehehe, estas 2 palavras nem aparecem no dicionário do Word 7 ..), chorar, rir, arrotar, etc. Que se repararmos estamos (muitos de nós e muitas vezes) a reprimir repetidamente na nossa vida, seja porque consideramos cultural e socialmente inaceitável, seja por qualquer outro motivo ou bloqueio pessoal. Ainda que possamos ser discretos (como convirá, sim, falo sobretudo dos inomináveis acima) em alguns deles, reprimi-los na sua totalidade e dimensão, prejudica-nos, limita-nos, atrofia-nos, condiciona-nos, não permite a livre e necessária fluidez de energia no nosso corpo, na nossa vida. E acaba por nos causar transtornos também físicos mais tarde..

Viver o Dao ou seguir o Tao, o Caminho da espontaneidade natural..

‘Escuta o teu corpo’ diz Lise Bourbeau e o que ele te pede. Nunca li esse livro, aparentemente estava esgotado quando o procurei nas livrarias do Porto. Mas apenas este título já me diz muito. Porque queiramos ou não ** temos um corpo, o nosso templo sagrado que devemos honrar e cuidar com esmero e ‘devoção’ (atenção que não falo de extremos ou exageros, tudo na sua certa medida, e cada um saberá qual é a sua..mesmo que precise em alguma altura de a exceder..)

Quem anda ‘nestas lides’ metafísicas, frequentemente delega para segundo plano, (digo último! ) ou faz por ignorar completamente, esta coisa ‘do apelo do corpo’.

E agora falo sobretudo da nossa - humana- componente sexual. Viemos apetrechados com apêndices, interiores (yin, femininos) e exteriores (yang, masculinos) que também nos dão que fazer nesta vida. Ó, ó..
As nossas necessidades básicas, passam também por aí, e por muito que queiramos ‘andar nas nuvens ou no céu’ , ignorá-las, só nos fará mal. Cada um saberá em consciência, como lidar com elas. E não há conventos, reclusões, ou abstinências e sublimações que nos valham - ‘’Om valha-me Deus’’** como dizia alguém – porque não somos menos espirituais por as termos. Se assim fosse, tínhamos nascido eunucos. Não são o nosso objectivo de vida ou prioridade, mas se aparecem, é deixa-las vir..

E agora desculpem sim?
Tenho que ir ali comer um pãozinho de maçã acabado de fazer.

*(felizmente esta coisa não alastrou ao cabelo, e continuo com as minhas ‘madeixas brancas’ naturais de estimação que me dão imenso gozo, e a ir 2 a 3 vezes ao cabeleireiro .((por ano!))

**há uma cena divina (mas não são todas?!!) no ‘’Panda do kung fu’’ em que o Shifu tenta meditar e repete continuamente “paz interior…paz interior…” sem conseguir a tal paz interior que tanto quer…

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Está explicado: in capacidade

Desde muito miúda que acompanhei os meus pais nas suas idas diárias a um lugar de ‘culto’ no Porto. Nunca lhe chamaram religião, mas filosofia. O Racionalismo Cristão. Como o próprio nome indica, razão e princípios crísticos.

Cresci envolvida em práticas e conceitos incomuns para a época, tais como : espírito, reencarnação, água fluídica, forças inferiores e superiores, corrente, médium, outras vidas, mediúnidade, obcessores (não era este o nome dado, mas não me recordo qual era) ,vida fora da matéria, etc.

E se nunca me fez mal nenhum essa convivência chegada, (e só recentemente percebi o real e lato impacto que tivera na minha vida..) antes me familiarizou com temas e realidades além das ditas comuns e normais, a verdade é que cedo percebi também que não me chegava, por muitos princípios que me diziam, não dava resposta a todas as questões que tinha nem se identificava totalmente comigo.

Por opções de educação, cresci e aprendi em dois colégios católicos, por isso sei por dentro das práticas e realidades desta religião. A infância, passou-se num espaço privilegiado, belo que guardo nas minhas melhores memórias: Chamava-se a Quinta das freiras, ou quinta da Azenha, melhor dizendo o Externato Santa Margarida. Aí fiz a primeira e única comunhão. Apesar de não ter nenhuma prática católica em casa, seguia os ‘trâmites’ impostos pela escola adotada, como se fossem meus. Era estranha esta coexistência. Ser socialmente a nível escolar de uma forma e viver outra. Era uma máscara que tinha que usar.

Lembro-me do choque que foi passar deste belo (além de uma enorme área verde envolvente, tem, ou tinha, uma igreja linda, toda em granito, pé direito altíssimo e despojada, com eu gosto..) e enorme lugar em Gondomar, para um quarto de espaço(será dizer pouco), com o quíntuplo ou mais de alunos no Porto(será dizer pouco!), o C. Luso-Francês. Senti-me mal..andar de cavalo para burro. Burro manco, feio, atrofiado e infeliz.

Lembro-me também de ser obrigada a ir à missa lá, e da ansiedade de ter de magicar pecados sempre que era obrigada a ir ao confesso. Diacho, ao que uma pessoa se sujeita.

E a bonomia e placidez das primeiras freiras, passou para o sarcasmo, rigidez, atrofia e maldade de muitas das segundas. Lembro-me de duas espectaculares que escapavam à regra geral, e se destacavam das demais: a professora de Português e a de Biologia.

Mas afasto-me do que me propus.

O que quero dizer com isto é que convivi de perto com duas práticas metafísicas enquanto me ia formando como gente. E por que nenhuma me encheu as medidas, não fiquei por ali.

Não vou fazer aqui uma resenha das minhas experiências, porque não interessa fazê-lo.

Durante algum tempo queixei-me (aos meus botões) desta minha incapacidade de me fixar a uma religião/filosofia, porque sentia a necessidade, de alguma disciplina e rigor, de algum método e ritual que me obrigasse a uma maior focalização e consequentemente menor dispersão, naquilo que chamo na minha vida de ‘inconsequência’. Sentia-me um pouco perdida neste imenso mar de apelos e vias, e ser capitão do meu pequeno barco a remos, parecia uma tarefa de gigante. Ter alguém que me disse-se: levanta-te às tantas, reza às tantas, diz isto tantas vezes, faz aquilo, às tantas e x vezes, … parecia-me mais ‘fácil’, ou pelo menos, indispensável para me centrar objectivamente.

O problema é que nunca encontrei nada nem ninguém que ( e voltamos ao mesmo) ‘me enchesse as medidas’. As minhas são de outra dimensão e exigência, parece-me. São as minhas e pronto, está tudo dito. E por isso fui absorvendo, aprendendo, conceitos, normas, ideias daqui e dali*, que ressoavam com a minha maneira pessoal de ser e sentir e me faziam sentido, sem me fixar em nenhuma religião, filosofia, guru, mestre, seita, dogma, onda, credo,…

E o mundo está cheio de grandes exemplos, humanistas, filósofos, pensadores, religiosos, e outros (todos) comuns mortais capazes de nos emocionar, enlevar, ensinar, despertar, influenciar, cativar, …, na nossa demanda pessoal de vida.

Para mim, fixar-me e seguir um deles, por mais iluminado que me possa parecer, é-me demasiado redutor e limitativo. Além de poder ser, muito perigoso..

O mundo está cansado de tanto fundamentalismo, tanto dogma e fervor cego em torno das religiões, das sociedades, no mais comum quotidiano.

Quando deixamos de pensar pela nossa cabeça para seguir a cabeça de outro, alienamos o nosso direito e dever fundamental de sentir, pensar e agir por nós mesmos. Transferimos o poder que temos para o outro. E tentamos assim também destituirmo-nos de responsabilidade por aquilo que fazemos..

Uma vez vi num blog, uma coisa que achei graça. O título da famosa lista de seguidores dizia: ‘podem seguir-me, mas eu também estou perdido’. Ora eu não estou perdida (de vez em quando vou me perdendo, mas recentemente, encontrei-me :), daí a falha na lista de seguidores ;)

Alguém espiritual dizia numa informal e divertida exposição acerca de viagens, que Viajar (e tratava-se de uma volta ao mundo) era também uma incapacidade de Ficar. Nomadismo versus Sedentarismo.

Pois para mim, parece-me que não ter religião nenhuma também é (a minha) incapacidade de a ter.

Entre um pássaro na mão e outro a voar..deixo sempre os dois voarem. Se quiserem. :)

Fiquem bem, com ou sem religião. *(Cristianismo, Taoísmo, Budismo, Hinduísmo, Xamanismo, Zen, ..)

Joan Osborne - What If God Was One Of Us
Enviado por Pippo-el-peco. - Vídeos de notícias do mundo inteiro.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Remember The Light Side

''In Praise Of Fun
There is no need to feel guilty about having fun; having fun and being happy is our birthright.

Often when we talk about fun, or doing things just for fun, we talk about it in a dismissive way as if fun isn’t important. We tend to value hard work and seriousness, and we forget to pay our respects to the equally important, light side of silliness and laughter. This is ironic because we all know the feeling of euphoria that follows a good burst of laughter, and how it leaves us less stressed, more openhearted, and more ready to reach out to people. We are far more likely to walk down the street smiling and open after we’ve had a good laugh, and this tends to catch on, inspiring smiles from the people we pass who then positively influence everyone they encounter. Witnessing this kind of chain reaction makes you think that having fun might be one of our most powerful tools for changing the world.

Laughter is good medicine, and we all have this medicine available to us whenever we recall a funny story or act in a silly way. We magnify the effects of this medicine when we share it with the people in our lives. If we are lucky, they will have something funny to share with us as well, and the life-loving sound of laughter will continue to roll out of our mouths and into the world.

Of course, it is also important to allow ourselves to be serious and to honor that side of ourselves so that we stay balanced. After a great deal of merriment, it can actually be a pleasure to settle down and focus on work, or take some time for introspection until our next round of fun begins."


terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Life Transitions

The Death And Rebirth Of Self

Sometimes a part of us must die before another part can come to life.

Sometimes a part of us must die before another part can come to life. Even though this is a natural and necessary part of our growth, it is often painful or, if we don’t realize what’s happening, confusing and disorienting. In fact, confusion and disorientation are often the messengers that tell us a shift is taking place within us. These shifts happen throughout the lives of all humans, as we move from infancy to childhood to adolescence and beyond. With each transition from one phase to another, we find ourselves saying good-bye to an old friend, the identity that we formed in order to move through that particular time.

Sometimes we form these identities in relationships or jobs, and when we shift those areas of our life become unsettled. Usually, if we take the time to look into the changing surface of things, we will find that a shift is taking place within us. For example, we may go through one whole chapter of our lives creating a protective shell around ourselves because we need it in order to heal from some early trauma. One day, though, we may find ourselves feeling confined and restless, wanting to move outside the shelter we needed for so long; the new part of ourselves cannot be born within the confines of the shell our old self needed to survive.

We may feel a strange mixture of exhilaration and sadness as we say good-bye to a part of ourselves that is dying and make way for a whole new identity to emerge in its place. We may find inspiration in working with the image of an animal who molts or sheds in order to make way for new skin, fur, or feathers to emerge. For example, keeping a duck feather, or some other symbol of transformation, can remind us that death and rebirth are simply nature’s way of evolving. We can surrender to this process, letting go of our past self with great love and gratitude, and welcoming the new with an open mind and heart, ready for our next phase of life.

Share the OM: To email this to a friend, click:(obrigada Ana)


(obrigada Sérgio)

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

escola da ponte

um exemplo de que é possível..

(Obrigada Pedro)

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

start journeys of fun and glories

Hey hey say Ladeo

Time to put the words away
The melody will tell the story
As we go along
.. story
Starting journeys of fun and glories
Say Ladeo
Hey hey say Ladeo
Time to put the words away 
Where getting to somewhere closer
That’s hiding inside
Words only take you so far and leave
…went to
Say what you would say in your heart

Say Ladeo